quarta-feira, 1 de maio de 2013

Vida de Sala de Aula

Na escola a cada dia somos confrontados com a piores adversidades e temos que fazer de conta que é tudo normal. Normalmente é um escândalo, mas fingimos que tudo é normal, quando na verdade é uma excrescência.
Não são poucos os alunos que vão a escola simplesmente para não ficar em casa. Na escola, nós, professores, temos que fazer o milagre dos mesmos aprenderem.
É exigido que executemos a árdua tarefa de resolver aqueles problemas que ninguém resolve: família, conselho tutelar. Famílias absolutamente desestruturadas são um convite para aqueles jovens que não querem estudar.
Os governos bem ou mal investem para não ter resultado satisfatório. Porque de tudo isso? Ora é muito difícil ensinar quem não quer aprender. E porque muitos jovens optam por não aprenderem? Por que não vêem no que é ensinado nenhum sentido, ou não consideram que aquilo vai alterar suas vidas para melhor.
Até noções básicas de disciplina andam ausentes de nossas escolas. E sem um mínimo de disciplina, tudo fica mais difícil. Resta o que ao Professor? Controlar a turma, e esperar dar o sinal.
Façam um pesquisa quantos alunos estudam em casa mais do que 15 minutos. Verão que é uma minoria, boa parte não pega os cadernos nunca , e muito menos são cobrados pelos pais, aliás, muitos de nossos alunos são criados pelas avós, diga-se de passagem, algo que raramente é dito, na imprensa e pelas autoridades educacionais.
E nós professores, diretores, especialistas, diante do caos, o que fazemos invariavelmente? Adotamos o paternalismo como solução. É por isso que metade dos aprovados em verdade não teriam condições de passar para a série seguinte.
Sobre quem deposita muita esperança nos professores, é bom que saibam que a cada dia está mais difícil de operar milagres.

Um comentário:

Palindromo disse...

Calé, seu Aloisio, você tambem é da turma do FAIZDICONTA que trabalha, e não faz nada de útil. Recicle-se, leia ao menos uma dúzia de bons livros. Iniciando com Benjamin Spock ou Bruno Bettelheim, e terminando com Gloria Khalil e Max Gehringer. É batata e funciona mesmo.

Desculpe a intromissão, mas os nossos professores em geral, tem pouca iniciativa. Não estou referindo-me ao seu caso. Nada como um pouco de experiencia em campo.

Um dia desses apareço aí na sua terra do "contestado".

Abraços...