sábado, 31 de maio de 2008

Caçador

Caçador Online:
"Reunião discute campus da UDESC em Caçador

31/05/2008 15:03 - Caçador Online


Lideranças estaduais e diretoria da Universidade do Contestado se reuniram nesta sexta-feira, 30 em Caçador, para examinar as possibilidades da implantação de um campus da UDESC, Universidade do Estado de Santa Catarina, na região meio oeste. O pleito faz parte de um projeto de interiorização das universidades públicas.

O deputado Marcos Vieira (PSDB), que está intercedendo a favor da Udesc em Caçador, ressaltou a importância do ensino superior gratuito para o desenvolvimento da região. 'Precisamos evitar o êxodo de jovens para os maiores centros em busca de aperfeiçoamento, estimulando-os a permanecerem na sua região desenvolvendo pesquisas e conhecimento', salientou Marcos Vieira, sugerindo a incorporação da UNC de Caçador pela Udesc ou a implantação de um campus da Udesc no município.
Uma nova reunião foi marcada para o dia 3 de junho, em Florianópolis, para discutir o assunto, além de outros convênios de cooperação e ampliação da parceria entre o Governo do Estado e UnC.
Teatro
Na reunião em Caçador, o governador Luiz Henrique da Silveira também reafirmou a intenção de contemplar Caçador com um centro multiuso e com o Teatro do Contestado. “A UnC-Caçador terá o melhor e maior teatro de Santa Catarina”, declarou, durante reunião com a Diretoria."

Eu só peço a Deus

Ceu, Sol, Sul, Terra e Cor

HORIZONTES-Homenagem à Porto Alegre

LAGOA DE FURNAS - AÇORES


Paulo Maluf - Filme Segurança (Branca do Mal)

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Charge

Mudança Climáticas no Brasil



Placas


Catedral da Sé/SP


Quantos anos você tem?

Click na imagem para ampliar

OPERÁRIO


Transformações

Rio Zêzere

O Rio Zêzere é um rio em Portugal. Nasce na Serra da Estrela, a cerca de 1900 m de altitude, junto ao Cântaro Magro, onde define um vale glaciar. Seguindo para sudoeste, conflui com o rio Tejo a oeste de Constância, após um curso de cerca de 200 quilómetros.O rio Zêzere é o segundo maior rio exclusivamente português, após o rio Mondego. Os seus principais afluentes na margem direita são: o rio Alge, o rio Cabril, a ribeira de Unhais, o rio Nabão, a ribera de Paul e a ribeira de Pêra. Na margem esquerda encontramos a ribeira de Bogas, a ribeira de Rio Caria, a ribeira da Malhadancha, a ribeira da Isna, a ribeira de Meimoa, a ribeira da Sertã e a ribeira de Teixeira.Da sua bacia hidrográfica com 5043 km², 1056 km² pertencem ao rio Nabão. Os grandes desníveis, aliados ao volume de água (por vezes superior a 10.000 m³/s.), representam uma notável riqueza hidroeléctrica, aproveitada em três barragens (Bouçã, Cabril e Castelo de Bode), que produzem anualmente 700 milhões de kW/hora.

Barragem da Paradela

Alpes


Itália

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Green

Sem título




Entrevista com o Deputado Chico Alencar

O filho de um piauiense com uma paulista se diz "um político brasileiro", nascido em família conservadora e religiosa, que despertou para a esquerda graças a uma vizinha "de idéias muito abertas, irmã do urbanista Lúcio Costa, Magdala Ribeiro da Costa", que lhe deu livros do socialismo francês. Acabaria, na mocidade, já formado em história, filiando-se ao PT e, em 1988, disputou sua primeira eleição, para vereador, quando foi o mais votado do Rio de Janeiro. Hoje é deputado federal pelo PSOL, partido de cuja fundação participou com outros dissidentes do PT, por discordâncias da linha política do governo Lula.

Leia a entrevista publicada na revista Caros Amigos de abril.

Entrevistadores: Carlos Azevedo, Sérgio de Souza, Thiago Domenici, Renato Pompeu, Roberto Manera, Wagner Nabuco.

Carlos Azevedo - Sua trajetória no PT foi de 1987 até 2005?

É. Uma longa trajetória. Mal comparando, é como na vida afetiva, na qual temos relações mais marcantes, duradouras e pelo tempo de convivência têm um peso muito relevante. Diria que, do ponto de vista de um casamento político, meu tempo no PT é inesquecível, mais para o bem do que para o mal. Mas foi um processo extremamente doloroso.

Sérgio de Souza - Quando e por que começa seu estranhamento com o PT?

No meu caso, no PT, o impasse mais significativo foi com minha candidatura à prefeitura em 1996, quando a cúpula do partido, Gushiken, José Dirceu, Lula, insistia que o partido tinha de se abrir. O Rio sempre foi uma moeda de troca, pro PT fazer acertos nacionais, dentro de um campo que incluía os chamados partidos progressistas. Na militância, as bases e as convenções sempre batiam de frente. Então, em 1996 havia essa orientação, mas o partido fortemente optou por uma candidatura própria à prefeitura, por uma aposta ousada, contra todas as possibilidades e contra o núcleo duro da direção nacional. Apesar disso, deu certo. Lula só foi no último comício, a três dias da eleição. Até fez uma autocrítica, dizendo que tinha que ter apoiado antes.

Com o Zé Dirceu já tinha tido alguns arranca-rabos. Por ali começou, dois anos depois teve uma intervenção direta pra tirar a candidatura de Vladimir Palmeira e impor a aliança com o PDT do Garotinho. Vai criar cobra pra te picar lá no Butantã... Em 2002, quando me candidatei a deputado federal, a gente viveu uma contradição. Havia um movimento de base, de ruptura com o peleguismo, e o Lula candidato mais uma vez; dessa vez vitorioso.

Também houve a nossa célebre reunião, na qual até acabei sendo protagonista quando perguntei para o Delúbio (tesoureiro do PT): “senhor tesoureiro, e esse tal de Marcos Valério?” Sabia apenas que a Articulação (tendência majoritária do PT) tinha esquemas, algumas campanhas pareciam milionárias. "É apenas um amigo meu, que quer colaborar com o partido." Então - disse eu - na próxima campanha eleitoral, em 2004, vamos colocar todas as nossas contas de campanha em tempo real”. E ele falou uma frase que ficou famosa: "Ô, Chico, transparência demais é burrice". Norberto Bobbio (cientista político italiano) diz: "A democracia é o regime da transparência e nela não pode haver nenhum segredo". É ou não é uma contradição?

Carlos Azevedo - Você acha que o PT passa por essa transformação depois de entrar nesse descensão? Em que medida descensão influencia?

Suponho que essa relação é sempre dialética. Há quem diga que partido político é necessariamente uma estrutura institucional e, quanto mais tempo passa nas estruturas formais, disputando eleições, ocupando cargos, mandatos parlamentares ou executivos, vai arrefecendo sua pujança mudancista, revolucionária. Haveria uma incompatibilidade entre partido e revolução...

Carlos Azevedo - Enfraquece sua relação com as raízes populares?

Vai criando estruturas. Mas no Brasil - aí é tese de um historiador menor - o peso da institucionalidade é muito grande, inclusive pra luta da esquerda. Todas as nossas lutas mais marcantes da geração cinqüentona e sessentona tiveram um viés de institucionalidade: Anistia, Diretas Já, Constituinte. Aquele Brasil bonito das Diretas Já produziu as maiores manifestações de massa com sentido político da nossa história. Mas mesmo antes, a própria Aliança Libertadora Nacional de 1935 tinha um conteúdo de institucionalidade, um programa de reformas. Também a luta pela democratização no fim do Estado Novo; o Manifesto dos Mineiros não era socialista nem revolucionário, mas um duto de liberdades democráticas que muita gente progressista assimilou. O movimento das reformas de base no Jango, também pelo viés da institucionalidade. O movimento pela legalidade contra as tentativas de golpe, de impedir a posse do vice-presidente que estava na China. Até no plano cultural, de mudanças mais profundas na sociedade, o movimento modernista, que acontece em São Paulo (1922) e não na capital federal, que era o Rio, um pouco pra fugir do oficialismo, também não deixa de ter conexões com a institucionalidade da época, questionando a dominação oligárquica.

Renato Pompeu - O que o PSOL traz de novo nessa situação? Porque a mídia, quando cobre o PSOL, só fala das denúncias de corrupção. Eu, por exemplo, não sei o que o PSOL entende por socialismo e liberdade. Se é algo semelhante a Cuba, se algo semelhante à Venezuela ou se é algo semelhante à Suécia. Então eu gostaria que fosse explicitado isso. No que o PSOL é novo.

O PSOL é um partido político em formação. Nasce do acúmulo de contradições e decepções sobretudo com o PT. A gente tem alguns elementos fortes do PT pré-delubiano, vamos chamar assim, em termos de organizar um partido por núcleos, ter uma interlocução muito forte entre as direções e a base, um chamamento à participação, sobretudo, os setores da juventude, uma busca de inserção não diretiva nos movimentos sociais, aprendendo com eles, para romper com aquela idéia do partido condutor, do partido de vanguarda. Uma revisão, inclusive, de certas categorias que a esquerda marxista-leninista consolidou muito, mas que no século 21 não têm mais cabimento. Porque a estrutura de classes da sociedade, embora ainda haja opressão, exploração e alienação, não é a mesma do século passado, de vinte, trinta anos atrás. O que é a classe operária hoje, o que é o povo, essas categorias todas? Então, o PSOL está nesses setores, está em constituição. Realizou seu primeiro congresso em agosto passado, no Rio, e aprovou o primeiro documento básico, se propondo a enfrentar o desafio de um partido que se quer socialista, mas reconhece que não há um paradigma socialista no mundo de hoje. A experiência, por exemplo, do velho Partidão (comunista) tinha o farol da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, o ícone da Revolução Russa. Hoje não. A gente reconhece que, por exemplo, a China reúne hoje o que há de pior no capitalismo, que é a espoliação violenta da mão-de-obra, com o que há de pior no socialismo real, que é o autoritarismo e o controle total da sociedade pela máquina estatal. Por outro lado, Cuba, experiência exitosa e admirável em muitos aspectos, não superou ainda essa realidade de não produzir novas lideranças e mecanismos de oxigenação da própria sociedade com a diversidade dela. Que deve ser, inclusive, partidária. Não é um axioma verdadeiro que, tendo liberdade partidária, o socialismo acaba. E, se for isso, é grave; é uma contradição. A gente está num processo - o mundo, os trabalhadores, a população, os que não estão satisfeitos - nessa idéia neoliberal fortíssima, de que a história acabou e que o capitalismo liberal, que é o capitalismo puro e duro, tem as respostas máximas para a sociedade do ponto de vista das oportunidades econômicas e das liberdades democráticas. Aí o PSOL tem alguns elementos como contribuição para isso, que não vai ser tarefa de um partido só, nem de uma só formação social, como a brasileira. Isso é uma tarefa mundial, planetária, de todas as forças vivas que acreditam em outro mundo possível que não esse hegemonizado pelo capital. Isso é um paradigma da esquerda. A socialização dos meios de produção, hoje, tem de caminhar junto com a socialização dos meios de governar e com a socialização da informação. Quer dizer, o PSOL se afirma na perspectiva do pluralismo, na perspectiva do socialismo com democracia, que a nosso juízo o capitalismo neoliberal não viabiliza plenamente. Agora, sem modelo é muito duro. É evidente que experiências como a da Venezuela, tirando um pouco o personalismo do Chávez, como a da Bolívia, que tem uma riqueza maior, o Movimento Ao Socialismo e as características do próprio líder maior que é o Evo, como o Equador do Rafael Correa, são experiências que nós prezamos muito.

Sérgio de Souza - Qual é a diferença, ou diferenças, entre o programa inicial do PT e o programa do PSOL?

A diferença básica é de momento histórico. O PT nasceu na crítica ao socialismo então existente. Lembro-me de um encontro nacional em São Paulo, quando tinha acabado de ocorrer o massacre da praça da Paz Celestial. E o encontro teve uma forte marca de denúncia. Agora as experiências concretas de um partido que sempre afirmou esse ideário ético-político socializante, com a experiência do poder central no Brasil, nos mostram seu fracasso. É uma diferença significativa. Para chegar ao poder, o PT trouxe para o governo o PRB da Igreja Universal.

Roberto Manera - O PSOL saiu do PT ou foi expulso?

Alguns foram expulsos diretamente, como a Heloísa Helena, a Luciana Genro, o Babá e o João Fontes, que hoje está no PDT. Esses três eram deputados federais. Votaram contra a reforma da Previdência, foi nosso primeiro drama. E nós ficamos em um caminho intermediário no grupo, de não votar a favor da reforma constitucional. Aí fomos punidos com uma suspensão e outros foram expulsos. Depois o contencioso foi aumentando e, em 2005, um novo grupo saiu. Volto a dizer, tendo chegado ao poder da República, sair e começar um novo partido é uma tarefa que eu não vou dizer heróica, mas é duríssima. Porque o esquema político está muito consolidado com os partidos de clientela. Partidos de idéias e causas estão fora de moda. As empreiteiras dão dinheiro para todos. Os bancos dão para os pólos principais. E o PSOL fez a opção, pela qual a Heloísa se bateu muito, de não receber de qualquer empresário. Nosso estatuto não chega a proibir isso, mas proíbe receber de bancos e de empreiteiras que tenham obras com o governo. Na nossa campanha de 2006, nenhum empresário, como pessoa jurídica, estava autorizado a dar qualquer centavo. Então foi paupérrima, por escolha nossa. Não tem que chiar, ajoelhou, tem que rezar! Há elementos para dizer que esse financiamento que está mantido no Brasil é a porta da corrupção política - e com ela você fica de rabo preso. E as corporações cobram, cobram... Você perde a independência. O PT entrou direto nesse tipo de política.

Roberto Manera - Com seus programas tão semelhantes, os partidos políticos parecem monolíticos e, no entanto, a opinião coletiva dos partidos é de uma variabilidade absurda. Um cara que ontem defendia isso, amanhã se coloca contra porque outro grupo está no outro extremo da gangorra. Não tem sido isso?

Eu acho que o PT exacerbou essas incoerências. Agora, sinceramente, no Brasil, aí concordando em partes com você, há partidos como o PSB, o PDT, o próprio PPS, o PT, o PSTU, o PC do B, o PSOL que têm um aspecto semelhante no seu programa. Todos esses, sem exceção, falam de socialismo, da importância do Estado, da importância do controle social, da participação, da organização dos trabalhadores, dos explorados, oprimidos, vilipendiados e tal. E dessa meta de construir uma sociedade diferente, socialista. O programa, para falar do programa, - o papel aceita tudo, é verdade -, os programas do PSDB, do PFL, do DEM, do PTB, e até com nuances um pouquinho mais para retórica trabalhista, do PP, do PL, hoje PR, do PMDB, estão num outro campo da economia de mercado, da democracia liberal como a realização plena do seu ideário. Pode ler lá. Agora, isso é pouco, e aí você tem toda a razão. O que conta mesmo, e, aliás, essa é uma afirmação clássica de esquerda, é a prática: a prática é o critério da verdade. Talvez o grande mal para a esquerda que o PT tenha causado, os segmentos dominantes do PT, tenha sido o de a prática não coincidir com o ideário. Mas há muita gente séria, boa, cada vez mais desiludida, no PT.

Roberto Manera - E vocês estão de braços abertos para eles?

Claro que estamos. Há uma hegemonia no PT que dá a fisionomia do partido hoje, que tem uma incoerência entre o programa e a prática, entre a intenção e o gesto, entre o proclamado e o praticado, sem constrangimentos agora. Isso é que é terrível. Às vezes, os bons companheiros que ainda sobrevivem na bancada do PT, em Brasília, pedem para nós poucos, Ivan Valente daqui de São Paulo, Luciana Genro do Rio Grande do Sul, e eu. Falam: "Pô, pega firme nisso aí que vocês têm condição, a gente não pode bater tanto". Porque tem a tal desgraçada governabilidade parlamentar. Alguém tinha feito uma pergunta também aguda: será que o que acabou como expressão não é a forma "partido político"? Eu digo que não. Não se inventou ainda outro instrumento que não o partido político para fazer uma disputa com um mínimo de regras e ocupar espaços do poder institucional que, volto a dizer, não é todo o poder.

Sérgio de Souza - Que contradições são essas?

O Ivan Valente, do PSOL, chega lá e diz: "Assina aqui a CPI dos cartões". "Claro. Sem dúvida." "Agora, assina aqui a CPI da dívida pública." Teve até petista indo tomar cafezinho... Só temos setenta assinaturas, dificilmente iremos conseguir. E as isenções fiscais, que são uma farra? Eu até anotei, estava conversando com o ex-petista Paulo Ruben Santiago. Uma coisa impressionante, a farra dos incentivos fiscais. Veja: só de renúncias fiscais, nós chegamos a cerca de 65 bilhões e 500 milhões de reais. Uma vez e meia os gastos com saúde pública no Brasil nos últimos quatro anos. E olha outra posição histórica do PT: nas assembléias, nas câmaras, qualquer governo que propunha isenção fiscal, aqui ou ali, a gente contestava. Afinal, a livre iniciativa não tem que se constituir sem o "papai Estado"? E, no entanto, tem uma farra tremenda desse tipo aí. Então tem muita coisa que o PSOL verbaliza, faz, e a mídia grande não dá a menor bola, não interessa. Mas pelo menos falam que a gente denuncia o "acordão" da CPI dos cartões, e que a gente tomou uma iniciativa contra o Renan, senão ninguém tomaria. E, no mínimo, o cara saiu da presidência. Então eu acho que o PSOL cumpre um pequeno mas importante papel.

Roberto Manera - O que você acha que resultaria da auditoria da dívida?

O resultado seria um reforço da idéia de você criar um fórum internacional dos países do Terceiro Mundo, dos países "de baixo", para rediscutir mundialmente as relações vigentes.

Thiago Domenici - O Lula sempre falou que peitaria o status quo quando chegasse no poder; agora, alguns integrantes do próprio partido e até do governo dizem que quando se chega no poder - e eles chegaram - a máquina não permite você peitar da mesma maneira como faz no discurso, que a prática não permite. Você acha isso? Ou você acha que ele nunca teve a intenção de fazer o que falou?

Não. O Lula não é um quadro - e nem poderia ser, talvez só seja o Lula no que há de meritório na sua trajetória - orgânico da esquerda. Uma pessoa que conviveu muito com ele me disse: "Olha, nessa convivência eu descobri que o Lula não tem ideologia".

Carlos Azevedo - Ou seja, ele tem uma ideologia.

É, nesse sentido: não ter uma ideologia socialista de esquerda; o Lula é um pragmático extraordinário. Alguns companheiros dele, das antigas, de sindicato, falavam que nas reuniões (que foi a universidade do Lula), num momento agudo de greve, se discutia e tal, deliberava-se uma reunião e ele tinha que encaminhar como a maior liderança. Antes de ir lá para o palanque falar para a multidão, ele preferia dar uma percorrida no meio da massa mesmo, para sentir o pulsar ali, e aí ele tinha a capacidade, admirável como método, de acabar conduzindo uma mediação muito pragmática que permitisse, por exemplo, se fosse o caso, sair da greve sem muita dificuldade, ou continuar na greve, mas já abrindo a porta para a negociação com o patrão. Quer dizer, o Lula é um pragmático. Se ele tem de conversar com o pior inimigo, que já não é mais inimigo, ele pega o telefone, e depois conta: "Eu fiquei invocado, liguei e falei: 'Bush, qual é a tua?' ". Você quer mais pragmatismo que isso? Só que pragmatismo que tenta conciliar preservação da Amazônia com agronegócio, ampliação da fronteira agrícola, eucalipto, soja, transgênicos, fica difícil. A ministra Marina Silva acaba virando uma marca muito bonita, muito charmosa até, mas é sempre derrotada. Você achar que pode fazer política de mudança com aliados de partidos que têm como lideranças Jader Barbalho, Romero Jucá, Renan e outras oligarquias que tais aí, Quércia, Sarney, fica difícil. É aquilo que eu falei, parece que não há mais nem constrangimento. Isso é pragmatismo. O Brasil, não por acaso, é considerado por Condoleezza Rice como o exemplo de um processo de democratização confiável ao império. É ou não é?

Sérgio de Souza - Agora, dentro do governo, os homens do PT têm esse pensamento único?

Não. Há contradições. Por isso que eu considero que os governos não são iguais.

Sérgio de Souza - Seria bom você citar pessoas, políticos, ministros, para o leitor ter uma noção do que ocorre no centro do poder.

Eu continuo a acreditar na idéia da hegemonia. Você tem uma política hegemônica dentro do governo, que é, nas suas linhas gerais, a chamada política neoliberal.

Sérgio de Souza - Quem sustenta isso e quem é contrário dentro do governo?

Há pontos de tensão e questionamento de alguns. Se você pega a votação na Comissão Nacional de Biotecnologia, que decidiu por sete votos a quatro liberar as sementes do milho transgênico, patenteadas apenas pela Bayer e pela Monsanto... Isso é um aspecto pontual de uma decisão que envolve todas essas visões. Os ministérios do Meio Ambiente, da Saúde...

Sérgio de Souza - Quem faz parte dessa comissão? São todos do PT?

Não. São os ministérios do governo. Mas aí você já tem uma revelação.

Renato Pompeu - Mas vamos esclarecer: que ministros votaram contra essa decisão da CTNBio?

Um deles foi o Ministério da Saúde.

Renato Pompeu - Quem é?

O Temporão. Ele é da cota do PMDB, mas nunca foi militante do PMDB, é um cara da reforma sanitária, daquelas origens lá dos sanitaristas do Rio. E também o Ministério do Meio Ambiente, a Marina Silva. Os que votaram a favor da liberação foram os ministérios da Agricultura, da Justiça, da Defesa, das Relações Exteriores, do Desenvolvimento, da Ciência e Tecnologia e da Casa Civil. De qualquer forma, foi sete a quatro. Esse é um dos embates que o governo tem no seu interior, mas que não gera nenhuma seqüela. Quer dizer, a aceitação da política que tem como fiador o próprio Lula é hoje geral, os focos de resistência diminuem cada vez mais e o chamado desenvolvimentismo que o Mantega poderia representar está inteiramente assimilado pelo setor do capital financeiro, pela ortodoxia que o Meirelles, do Banco Central, representa. Não há mais embates, a política de juros está devidamente acomodada. É impressionante a lógica do poder para essa geração de petistas. Ela sempre acaba determinando, em última instância, um acerto.

Carlos Azevedo - Em 2002, quando o Lula ganhou a primeira vez, você achava que ia ser diferente?

Acreditava sinceramente. Claro que as sinalizações começavam a preocupar.

Thiago Domenici - Mas você já sabia que ele era um pragmático.

Sim. Sabia que era um pragmático, mas a gente apostava naquilo que a eleição dele reavivou, que foi a chamada força social de mudança. Eu lembro do discurso do Lula na posse: "Mudança é a palavra-chave, reforma política, reforma tributária, reforma econômica”. O nosso Frei Betto falava: "Vamos conjugar agora uma nova gramática do poder". Tinha todo esse ânimo e eu acreditando piamente. "Esse é o governo dos nossos sonhos." Meus filhos perguntavam: "Quem foi o melhor presidente da República?" Eu falava: "Está chegando agora". Aliás, é uma pergunta também muito estreita. De repente, no período oligárquico, Rodrigues Alves foi razoável. O Getúlio Vargas pode ser o céu e o inferno. Juscelino tem aspectos aqui e ali. O Jango, para mim, foi o melhor dentro do contexto. Talvez por isso tenha sido brevíssimo. Mas a gente acreditava. "O processo liderado pelo Lula vai instituir uma democracia de alta intensidade e uma República efetivamente mudancista no Brasil. E vai politizar o nosso povo." Hoje o povo está menos politizado. Está lendo menos, está perdendo o espírito crítico. A gente tem uma certa anestesia geral e poucas certezas.

Roberto Manera - Mas o que você acha que causa essa anestesia?

É o contexto internacional. O capitalismo neoliberal, na sua fase financeira, na sua hegemonia, na revolução tecnológica, tem a ver com isso também. Incrível e admirável em muitos aspectos, eles exacerbam o individualismo de uma maneira trágica. Nós estamos tendo de recuperar algumas coisas da Revolução Francesa, como a idéia de cidadania participativa, de controle social do poder. Há uma espécie de grande monarquia do invisível e uma reconstituição, com todos os elementos da modernidade, de um império inabalável.

Sérgio de Souza - De onde vocês tiram essa percepção de que a juventude está anestesiada?

Eu digo que há uma indução à anestesia e absolutização do presente.

Sérgio de Souza - Mas há uma efervescência na periferia, a gente percebe daqui da redação. Então, por isso eu pergunto de onde vem essa percepção.

Em primeiro lugar, há uma percepção da predominância da valoração e da indução da sociedade ao consumo imediato como sentido de vida. Claro que um mercado muito importante é o da juventude, porque ela massifica, se mobiliza e você tem um poder. Mas a gente vive a domesticação dos símbolos de rebeldia, de mudança para uma outra sociedade, de outras relações. É incrível como esse sistema transnacional, mundializado, capitalista, tem uma capacidade fantástica de fazer tudo virar mercadoria. Uma grande anestesia do ponto de vista de que não há mais capacidade de mudar a História e você não deve se interessar pela sua constituição como ser histórico e entender o seu momento. É evidente que há focos crescentes de contestação a isso, de busca da sua raiz, inclusive de formação étnica nas periferias, na juventude. Mas a gente vê um desinteresse...

Sérgio de Souza - Pelos partidos, né?

É, pelos partidos, mas há também uma cultura, e é claro que nós contribuímos para isso, que estimula o desencanto e a não-participação. Eu vejo no Congresso Nacional, como via na Assembléia Legislativa, como via na Câmara dos Vereadores, ou seja, a história vem de longe. Quando temos qualquer votação importante e as galerias começam a se encher, o incômodo dos representantes do povo é enorme. "Que pessoal é esse? Quem está trazendo? 'Presidente, limita: ó, já lotou o espaço'." Deve ser o contrário do craque do futebol, que vibra com o estádio cheio. Como nós somos, na maioria, uns pernas-de-pau, ficamos com medo. Então, o desencanto com a política interessa muito aos que estão cada vez mais voltados para o mundo particular deles mesmos.

Sérgio de Souza - Mas e os meios de comunicação? Não têm uma responsabilidade grande?

Têm muita. Qual o programa que você tem na televisão hoje? Outro dia fui numa tevê em Brasília, UHF, um universo pequeníssimo. É ligada à igreja evangélica. Foi um programa de debates sobre o cartão corporativo, votação de orçamento, com um cientista político da Comissão de Direitos Humanos. E lá o telespectador está assistindo, telefona e fala. Eu até, depois, falei pro apresentador, “e se o cara mandar pra...?” “Bom, a gente tem que ter fairplay, se ele xingar.” Agora, imagine se a Globo vai fazer isso! Ou qualquer rede grande. Só a TV Cultura tem programa de debate, Roda Viva e outro.

Léo Arcoverde - Opinião Nacional.

Opinião Nacional, né? Tem um na TV Brasil também. O resto é noticiário, mais ou menos aberto, mais ou menos induzido ou censurado. E só. E vamos passar rápido pra novela e pro entretenimento, que são fundamentais - cada vez mais - pra estimular a vaidade, o ego, o hedonismo. E isso não é um discurso moralista, não, a gente apenas quer a grandeza do ser humano.

Sérgio de Souza - Você já é candidato a prefeito do Rio?

Sou pré-candidato porque não existe candidatura oficial. Senão, vem o TSE (Tribunal Superior Eleitoral)...

Sérgio de Souza - E o PSOL vai com você?

Vai. Um partido de esquerda sem disputa interna! Por outro lado, suspeito que o poder local, hoje, pode ser muito mais gerador de políticas públicas amplas, efetivas. O Márcio Moreira Alves, ex-deputado, jornalista, fez um livrinho da experiência de Lages, Santa Catarina, que ficou famoso: “Lages, a Força do Povo”. A gente tinha alguns encontros ainda em plena ditadura. Encontro Nacional de Prefeituras, onde havia experiências de participação popular. Nem se sonhava ainda com orçamento participativo, mas acho que, mesmo com esse refluxo dos grandes temas, há um crescimento de mobilizações mais localizadas. Você pode, a partir dos municípios, recuperar essa dimensão política.

Roberto Manera - Você acha que o PT tentou isso no Rio Grande do Sul?

Tentou. Viveu contradições, é uma experiência ainda recente. Tem que ver o que permaneceu e o que se diluiu. Porque, se governos - depois do Olívio - desconstituíram as experiências participativas do governo, é sinal de que não se consolidou uma nova relação.

Thiago Domenici - Você falou que Brasília cheira podre. É isso mesmo?

Brasília, não.

Thiago Domenici - O Congresso.

Aliás, botei na minha agenda um poema maravilhoso, do Nicolas Behr, um brasiliense da época da contracultura: "O que mais fascina em Brasília? A cidade ou o poder? O céu." Mas olha as contradições do poder em Brasília: a Câmara dos Deputados aprovou, contra o nosso voto, mais 185 milhões para as obras de transposição do rio São Francisco. Fez-se uma audiência pública. Os artistas lá. E vai o Osmar Prado à tribuna do Senado e começa a chorar. Sabe por quê? Ele disse: "Eu ouvi muitos discursos, muita informação técnica, palavras muito colocadas. Mas ouvi pouca gente aqui falar do nosso povo, demonstrar autenticidade de compromisso com nossa gente". A representação política está muito degradada.

Léo Arcoverde - Já dá pra saber quem manda mais no Congresso? A bancada ruralista ou a que você chama de partidos empreiteiros?

Quem manda mais no Congresso é o governo. Sem dúvida nenhuma, manda muito. E qualquer governo. Há uma atrofia dos legislativos, é um fenômeno mundial, mas no Brasil isso é particularmente forte. E há uma tendência atávica de o governo, qualquer que seja, formar maioria. O adesismo é a regra. Bom, basta ver o que você tem aqui: quem adere ao governo Lula, hein? Houve uma reação inicial, mas, olha, tudo para cobrar espaços, os cargos resolvem tudo. Dentro do Congresso Nacional, um terço dos parlamentares foi eleito com dinheiro de empreiteiras. Outro terço com dinheiro dos bancos, do sistema financeiro. Então, dois terços representam grandes empreiteiras e o sistema financeiro, incluído aí o agronegócio. O resto são corporações menores, representações de trabalhadores, de movimentos rurais. Mas nós, deputados que representamos os interesses da grande maioria da população, a tal "nova gramática do poder", de novas formas de governar, somos menos de cem, em 513 deputados.

Léo Arcoverde - A influência dessas oligarquias que você falou não é mais acentuada no próprio Congresso que no governo Lula em especial? Porque você pega hoje a mesa diretora do Senado, onze caras. Sete são caciques, isso não tem como negar.

Eu não saberia afirmar, mas elas parecem muito satisfeitas com o governo Lula. Isso é uma realidade, não é discurso de psolista, não. É realidade, porque a gente vê lá. De vez em quando fazem uma pressão e o governo sempre cede, inclusive nos projetos de lei. Porque eles têm força mesmo. Aí fica aquela história: bom, não dá pra peitar. Agora, você só peita com mobilização! Vou dar um exemplo claro. Luiza Erundina, prefeita de São Paulo. Ela enfrentava problemas inclusive dentro do próprio PT. Ela, que veio de um setor mais à esquerda do PT, teve um processo de cassação na Câmara, porque talvez não tenha cedido os cargos que a governabilidade pedia. E aí tava tudo já encaminhado, porque qualquer parlamento, querendo criar uma situação de impeachment pra um governante, cria. É claro que o governante tem como se defender fora do parlamento também. Houve uma baita duma mobilização. Eu me lembro, eu vim aqui e havia 10.000 pessoas cercando a Câmara no dia que iam votar o impeachment dela. Aí a coisa recuou. A maior parte dos prefeitos lá de Porto Alegre, o Olívio, o Tarso, o Raul, governou sem maioria. Só que naquela época o PT apostava na força social de mudança e de pressão, ia para a briga. Mas a escolha política do governo Lula foi esta: vamos contemporizar. Quando um governo de esquerda se alia com a direita, quase sempre é a direita que dá a linha. Porque ela tem mais experiência, mais capacidade de exercer o poder, de se infiltrar nos escaninhos, nos mecanismos. É insidiosa, esperta, e tem cinco séculos.

Wagner Nabuco - Como é que você acha que o governo perdeu a votação da CPMF, o "imposto do cheque"?

Na Câmara, eles tinham maioria, passou com folga. Não negociaram minimamente. A gente ainda apelava, pois havia uma discussão dentro do PSOL, porque não era o pior dos tributos, embora haja muito engodo dizendo que é imprescindível, taxa grandes movimentações, é justo... Não é bem assim, não. Mas isso é uma discussão específica. De qualquer maneira, passou tranqüilo lá. Mas o governo foi de uma empáfia, de uma arrogância total. No Senado, vai e vem e, quando resolveu bater o martelo, “vota hoje”, faltou voto. Quem derrotou a CPMF foi a própria base do governo. Senadores da base não votaram. Talvez tenha faltado a garantia dos últimos cargos... Porque é assim que funciona.

Sérgio de Souza - E o Rio?

Continua lindo, inferno e céu. O Rio é uma cidade singular, né? É uma belíssima paisagem pra uma humanidade muito machucada. E que tem vivido, do ponto de vista do poder político, algo que contraria a tal proverbial rebeldia do povo carioca. Ultimamente, acabou fazendo nas urnas a opção por um padrão técnico-burocrático-autoritário. Então, a gente vive uma era de governos absolutamente tecnocráticos que operam no senso comum e não mobilizam. Montam uma câmara de vereadores com base no que eles chamam de vereadores da comunidade, do clientelismo, do paroquianismo, e assim vai... Quer dizer, a política carioca tá apequenada.

Sérgio de Souza - E o governador, os problemas que estão aí?

Qual problema?

Sérgio de Souza - Violência, por exemplo.

Não é apenas o governador. A questão da segurança pública e da violência só é enfrentada a médio e a longo prazos, com políticas integradas que envolvam todas as instâncias da federação - Estado, município e União -, com a transversalidade de políticas públicas. A segurança pública é algo tão grave, tão dilacerador, que não pode ser só um caso de polícia, mesmo a polícia investigativa, inteligente e honesta. Nesse momento em que a gente está conversando aqui, já 8 da noite de sexta, até segunda de manhã, no mínimo 25 jovens terão sido executados, mortos a bala, nas três grandes regiões metropolitanas mais violentas: Rio, São Paulo e Recife. Vitória está nesse caminho. Salvador também. Por ano, o Brasil perde, por homicídios, 45.000 pessoas. Então a gente está numa situação muito dramática. Agora, a pura repressão não resolve. Nesse sentido, de novo a frustração: o governo federal elaborou um programa nacional de segurança pública, lá em 2002, acompanhei. Era do Luiz Eduardo Soares, não sei se vocês já ouviram falar, acho que já, né? Ele é uma pessoa muito preparada, que poderia dar uma contribuição grande, mas é sempre escanteado. Foi escanteado pelo Garotinho: ele tem cabedal, os governos chamam, mas depois, opa! Está indo muito longe.

Sérgio de Souza - Teve que fugir, né?

Pois é.

Renato Pompeu - Você falou do prefeito César Maia, mas não falou do governador Sérgio Cabral.

O governador Sérgio Cabral tem uma trajetória política conservadora, do sistema. Ele é homem de composições, é também um político pragmático, sem uma nitidez ideológica, tanto que começou muito jovem ainda. Formado em jornalismo, nunca exerceu a profissão, a não ser brevemente. Fui colega vereador do pai dele, grande figura humana, Sérgio Cabral pai, que estimo. E com o Serginho já tive muitos embates, porque compôs na Assembléia - da qual foi presidente por muito tempo - um segmento fisiológico, corrupto, da política mais rebaixada do Rio de Janeiro, nessa de que "tem que compor". Não é à toa que ele e o Lula estão num love impressionante, se admiram mutuamente. Eles têm esse mesmo pragmatismo. Ele só foi eleito governador porque a polarização foi com a juíza Denise Frossard, que é muito conservadora, apesar de pessoa de ética inabalável. O Sérgio tem muito mais traquejo político, experiência, e deu um banho nela nos poucos debates, típicos das eleições de hoje. Foi eleito no segundo turno com ampla margem.

Pelo que pressinto, ele vai fazer um governo conservador, muito no senso comum. Por exemplo, essa política de segurança, que prioriza a repressão, já se metabolizou, tem o aplauso da sociedade. Porque quando o cidadão está inseguro, qualquer coisa que represente o fim de um bandido que seja, nem que seja uma execução sumária, como ocorreu no Morro do Alemão, tem o aplauso da população. Então o Sérgio é habilidoso, até por ambiente familiar, é muito aberto, gosta da cultura, tem esse espírito carioca, vascaíno, do samba, é simpático, envolvente. Mas é um político conservador que não vai introduzir elementos participativos no governo, e nenhuma transparência. É difícil analisar um governo que não tem um programa pra educação, pra habitação, pra saúde pública, pra segurança pública, a não ser esse programa convencional da repressão. A gente ainda não sabe o projeto do governo Cabral. Foi eleito pelo PMDB, que é um saco de gatos: lá, você pode ter uma figura como Pedro Simon e uma figura como Orestes Quércia, ou como Renan e Jader. Então, o Cabral está aparecendo mais nacionalmente agora, sempre foi um político mais local, foi senador com um mandato muito inexpressivo. Como presidente da Assembléia, cortou certos salários corretamente: gente que ganhava 35.000, 40.000, chefe da garagem que ganhava 30.000. Mas eles ganharam na Justiça, e ele disse que vai pagar em precatórios, está essa confusão lá... Mas isso reforça a aura que ele construiu, de pessoa austera. Ele montou um governo a exemplo do Lula. Por isso eles têm tanta identidade.

Roberto Manera - Concretamente, o que é que o PSOL, no caso de eleito, tem a fazer?

Tem gente dizendo que, se o PSOL entrar de cabeça em eleição municipal, vai acabar como partido e virar uma maquineta apequenada. A maioria de nós discorda. A gente quer estabelecer um programa mínimo básico nacional, seja para administrar Vila Risonha de Santo Antônio da Manga de São Romão, lá nas margens do São Francisco, ou qualquer capital. Para socializar cada vez mais os mecanismos de governar, criar conselhos de bairros, descentralizar o poder, manter interlocução com outras comunidades, ter uma postura autônoma e de cobrança de maior independência em relação a outras instâncias de poder. Porque segurança pública, por exemplo, também é um assunto municipal. E há hoje, numa sociedade com melhores redes de intercomunicação, experiências de cidades superinteressantes, mesmo nos Estados Unidos. Lá você tem cidades - como San Francisco - que contestam a política ambiental destrutiva do Bush. Por isso eu falei que os Estados nacionais estão esmaecidos, mas os poderes locais podem muito. Então a gente quer fazer governos democráticos, participativos, transparentes, que denunciem a guerra do Iraque, além de prestar assistência odontológica.

Sérgio de Souza - Mas isso não passa na Globo.

Não, não passa na Globo, mas isso a gente também pode ir mudando.

[Entrevista publicada na revista Caros Amigos, edição de abril de 2008]

América do Sul para onde você vai?


Prédios Históricos de Santa Maria/RS




Mais um belo


Charge


História

Casarão de madeira, típica do interior da região de Caçador, colonizada por imigrantes italianos na sua maioria.
Foto Murilo Roso. Maio de 2008.

Lagoa Comprida


Ilha dos Flores - Açores
Site Olhares

A batalha do novo imposto no congresso

O debate do novo imposto da saúde no congresso.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Charge


O problema da água no mundo

Veja o Vídeo
.
http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM466055-7823-ESPECIAL+SOBRE+A+AGUA+UM+DOS+MAIORES+DESAFIOS+DO+SECULO,00.html

Uma imagem fala ou não?

Blog do Noblat

Blog do Noblat - Ricardo Noblat: O Globo Online:

"Punição mais rigorosa para quem dirigir bêbado
De Luciana Nunes Leal:
O Congresso aprovou ontem a Medida Provisória que libera a venda de bebidas no perímetro urbano das rodovias federais. Ao mesmo tempo, torna mais rigorosas as penas para os motoristas que dirigirem depois de consumir álcool, mesmo que não se envolvam em acidentes. Segundo alguns deputados, trata-se da política do “bêbado zero”. Quem for flagrado com qualquer índice de álcool no sangue estará sujeito a pagamento de multa e retenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) por um ano. Se o índice estiver acima de 0,6 grama por litro de sangue, ficará sujeito a prisão de 6 meses a 3 anos.
Pelo novo texto, o motorista embriagado que se envolver em acidente com morte poderá ser processado por homicídio doloso (pena de 6 a 20 anos de prisão) e não mais por homicídio culposo com agravante, que permitia pena máxima de 6 anos. Essa mudança foi aprovada pelo Senado e mantida na Câmara dos Deputados."

E os reféns?

A morte do fundador e comandante das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Pedro Antonio Marín usava o nome de guerra de Manuel Marulanda e era conhecido como Tirocerteiro, aparentemente não vai significar uma grande mundança de orientação da guerrilha colombiana. Mais de três mil reféns estão em poder das FARCs e a ofensiva do governo colombiano pode significar o massacre de muitos desses reféns. Aguardemos para que o pior não se estabeleça, o governo colombiano também não parece estar muito preocupado com os reféns da guerrilha.

Haverá algum futuro?

No final do ano passado, o homem mais rico do mundo, o mega-investidor Warren Buffett, em entrevista à rede TV norte-americana Fox, quebrou o mistério sobre certa moeda que vinha adquirindo: era O Real. O também especulador George Soros anunciou recentemente um investimento de quase US$ 1 bilhão em biocombustíveis. Neste ano, a entrada da BP, a gigantesca empresa petrolífera inglesa, no mercado brasileiro de etanol e a compra de 100% dos ativos da Esso no País pelo grupo nacional Cosan são amostras da consolidação do Brasil como potência energética. O gigante está acordando, ressaltou matéria até certo ponto laudatória do jornal britânico The Guardian.

A Revista Veja desta semana traz interessante reportagem onde mostra a medida dos avanços e dos abismos nacionais. São iniciativas que fazem o País tatear o hemisfério norte e outras que alimentam os atoleiros históricos que nos mantêm no quinto-mundo. Realidades que se digladiam como a convivência da nossa incapacidade na geração de conhecimento com a competência para extrair petróleo de águas profundas. Ao todo Veja relacionou 50 situações de contraste entre o País que funciona e aquele irremediavelmente ordinário e tabaréu.

Durante o processo de abertura política, tínhamos a certeza de que a democracia faria o Brasil grande depois da frustração que se seguiu à derrocada do milagre brasileiro dos militares. Seis planos econômicos e três diferentes moedas depois aprendemos que só o regime de liberdade não seria suficiente para dar conta do recado. Quem viveu aquela época reconhece o valor do patrimônio social que representa o controle inflacionário. A verdade é que o Real nos devolveu a esperança. Tanto que a manutenção da estabilidade econômica conferiu, em situações diferenciadas, 16 anos de governo para dois presidentes e se tornou o combustível da popularidade de Lula.

O Brasil tem pelo menos quatro reservas de futuro extraordinárias: a capacidade de produção de alimentos, a Amazônia, os biocombustíveis e o petróleo. Com todo esse potencial pode se tornar um País influente caso, a partir de planejamento estratégico, se desfaça dos anacronismos. O primeiro deles é o modelo de Estado em vigor. Extremamente pródigo, de incomensurável voracidade fiscal, descuidado do dever de efetividade e infiltrado pela corrupção, o paradigma de governança do País é uma bola de ferro nos pés do gigante que quer se mover.

O Brasil não vai a lugar algum caso não se decida pela de disciplina. É absolutamente incompatível com a idéia de primeiro-mundo a permanência de cultura da transgressão. Para lembrar o filósofo Delúbio Soares, existe um país não-contabilizado que opera verticalmente em todas as escalas sociais a regra da ilegalidade. O País que trata como matéria de entretenimento a morte de uma criança atirada pela janela é o mesmo que não se afeta pelos 50 mil homicídios, 35 mil acidentes fatais de transporte e um número indefinido de abortos ilegais por ano. Falar de controle de natalidade é pecado. Por outro lado, perfeitamente plausível fazer a seleção das espécies a marretadas.

O País precisa criar condição de infra-estrutura para sustentar o crescimento, fazer as reformas nos sistemas tributário, trabalhista e previdenciário, suprir inúmeras deficiências de regulação e instituir um modelo educacional definitivo assentado no conceito de escola em tempo integral. Sem desenvolvimento e tecnologia não vamos sair da condição de dependência. Apesar do extraordinário momento econômico não vejo iniciativas consagradoras neste sentido. Haverá futuro promissor? A resposta se mantém afirmativa caso consigamos fazer um País menos bandido. O crime ainda é a saúva do Brasil.


Demóstenes Torres é procurador de Justiça e senador (DEM-GO).
COMENTÁRIO DO FÁBIO:
"Fábio disse...
Infraestrutura: Por que não fizeram alguma coisa enquanto estavam no puder?
Reforma tributária: Gera perda de arrecadação para os estados e municípios, então não interessa.
Trabalhista: Só se for pro pessoal trabalhar 50 horas por semana e livre negociação (aceitar as condições impostas pelo patrão ou rua)
Previdenciária: primeiramente acabar com as aposentadorias gordas para políticos, um mínimo já está bom.
Deficiências de regulação: Mas não tem que diminuir o tamanho do estado?
Escola em tempo integral: Mas não era melhor oferecer a excelência nos serviços prestados nas 4 horas diárias e dar valor aos professores que são os únicos que estão fazendo algo que vai mudar este pais?
Tecnologia: Mas o pais gosta mesmo é de commodities. Não vê iniciativa e nem vai ver, o que fala não reflete nas suas ações Senador Procurador."

PREPARAÇÃO PARA A GUERRA EM RORAIMA

Blog do Noblat

Blog do Noblat - Ricardo Noblat: O Globo Online:
"Santa Catarina lidera desmatamento da mata atlântica
De Afra Balazina:
As três cidades campeãs de desmatamento de mata atlântica entre 2005 e 2007 são de Santa Catarina: Mafra, Itaiópolis e Santa Cecília. Juntas, elas destruíram no período 3.843 hectares -o equivalente a 5.382 campos de futebol.
Os dados são alarmantes tendo em vista que restam no país apenas 7,26% da área original dessa floresta. As informações, divulgadas ontem pela Fundação SOS Mata Atlântica, foram produzidas numa parceria com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).
Segundo o órgão ambiental do Estado de Santa Catarina, a Fatma, a principal causa da destruição de mata atlântica é a substituição das florestas por pínus, que são vendidos para a indústria de papel. A Fatma diz que mantém um programa de proteção da mata atlântica e informa que haverá concurso para a contratação de mais 142 técnicos -30% deles devem ir para o setor de fiscalização. Assinante da Folha leia mais em: SC lidera desmatamento da mata atlântica"

Brasil-Potência?

Não me venham com o papo de Brasil-Potência. Esse papo já era a conversa do pior governo da ditadura (Médici). Primeiro vamos aprender a dura arte de falar a verdade e depois vamos sonhar com o futuro.

A “democracia à moda colombiana”

A morte de Manuel Marulanda Vélez (Pedro Antonio Marín), não é o fim da insurgência na Colômbia. O líder histórico das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) estava em armas desde a derrota do levante popular do Bogotazo, em 9 de abril de 1948. Neste dia o caudilho liberal Jorge Eliécer Gaitán, advogado, político e líder de uma “cruzada ética nacional”, foi assassinado. O apelo à violência política entre oligarcas deixou a certeza de que as regras de competição política são incapazes de incluir as maiorias empobrecidas.

O episódio desatou a violência social no campo colombiano, num período de conhecido bandoleirismo, cujo saldo foram 300.000 mortos entre 1948 e 1953. Marulanda nasce para a política nessa escola, sendo um mito fundador da rebelião dos pobres. Reforça esta idéia o fato de que todos os acordos entre guerrilhas e governo de turno, desde a campanha eleitoral de 1964, quando o padre dominicano Camilo Torres desiste do protesto pacífico, resultaram em massacre de militantes em plena “trégua democrática”. A experiência das FARC participando da União Patriótica (UP), partido legal que disputaria eleições gerais e legislativas foi terrível. Entre 1987 e 1992, 4.500 militantes foram assassinados, dentre eles, dois candidatos a presidente. O resultado foi o abandono da via eleitoral e o retorno permanente às armas.

Em contrapartida, vejo que a opção pela insurgência não justifica a lógica de funcionamento das FARC. Esta organização jamais poderia tolerar o refino de cocaína e a palma africana nos territórios que controla. Não há esforço de guerra que justifique o latifúndio e talvez este seja um dos motivos porque jamais seja reconhecida como força beligerante. Mas, reitero, o impasse democrático está além das guerrilhas.

Se a democracia formal não garante a participação política é porque na Colômbia é mais seguro ser guerrilheiro do que militante de base. Sem liberdade de reunião, opinião e manifestação, não há jogo democrático que resista.


Bruno Lima Rocha é cientista político.
(blimarocha@via-rs.net / www.estrategiaeanalise.com.br)

terça-feira, 27 de maio de 2008

Charge


Olha os deputados criando empregos

Deputados criaram mais oito mil vagas de vereador. Agora entenda bem, em um dia aprovam um projeto que aumenta os gastos, e depois querem recriar a CPMF, para aumentar a arrecadação. Vão criar vergonha na cara.

Em defesa do voto facultativo

Em breve todos vamos as urnas novamente, e de novo o voto será obrigatório. A discussão do voto facultativo, infelizmente não avança. A instituição do voto facultativo poderia melhorar a qualidade da nossa representação, mas essa não é uma prioridade dos nossos políticos, e, é razoável imaginarmos que demorará para ser. Eles querem mesmo é o rebanho votando e elegendo uma representação de qualidade duvidosa.

Charge





O Vice do PT

Após escolher os seu candidato a prefeito, o ex-vereador Ricardo Peregrinello, o PT em Caçador abre o debate para a escolha do vice, um processo que poderá se estender até as vésperas das convenções oficiais. Se o vice for um petista alguns nomes tem mais força no partido: Assis Pereira, Marcos Creminácio, Padre Flávio, Valmor de Paula. O PT pode inovar e escolher um vice não muito óbvio, como uma representante das chamadas mulheres petistas ou um representante do PC do B. Eleitoralmente, no entanto, o nome com mais força é o de Assis Pereira.

O professor é um trabalhador

Que bom será quando o professor se identificar como um trabalhador. Alguém que exerce uma importante função, que deve ser reconhecida pela sociedade, e não pelos donos do poder estatal e pelos endinheirados.

Mais um imposto é absolutamente indesejável


O governo federal parece não ter entendido o básico. Os brasileiros estão fartos de pagar impostos. Mesmo assim o governo só considera possível melhorar o sistema de saúde com a recriação da CPMF. Olha é visível que a grande maioria da sociedade, que apóia o atual governo, não deseja a recriação de mais um imposto. É necessário que se diga com mais força ao governo que mais um imposto é absolutamente indesejável.

Esperança

Blog do Noblat - Ricardo Noblat: O Globo Online:
"Perfil de novo líder das Farc amplia expectativa de diálogo
A morte do líder máximo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Pedro Antonio Marín - mais conhecido como Manuel Marulanda, ou “Tirofijo” (Tiro Certeiro) -, aumentou as expectativas de parentes de reféns da guerrilha e governos estrangeiros de que em breve se possa chegar a um acordo humanitário.
“O fato de as Farc designarem (para substituir Marulanda) Alfonso Cano, que é da ala política e não da ala militar da guerrilha, é um sinal de que eles querem seguir por esse caminho (de negociação)”, afirmou Astrid Betancourt, irmã da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, seqüestrada pela guerrilha em 2002."

Boa

Blog do Noblat - Ricardo Noblat: O Globo Online:
"Juiz chileno ordena prisão de 98 oficiais da era Pinochet
Da BBC:
O juiz chileno Victor Montiglio ordenou nesta segunda-feira a prisão de 98 ex-soldados e ex-agentes da polícia secreta que atuaram no regime militar de Augusto Pinochet (1973-90).
As prisões fazem parte de uma investigação sobre abusos de direitos humanos cometidos durante a chamada Operação Colombo, que resultou no desaparecimento de 119 pessoas, em julho de 1975"

6. Aristóteles :Filosofia antiga (Trabalho da Professora Célia)

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Política Indigenista



Está sofrendo duras críticas a política indigenista do governo. Resta perguntar qual foi a política indigenista implantada até agora? Quais foram os resultados da antiga política indigenista? Que autoridade generais do exército possuem hoje de questionar a política atual?

A CPMF

Está em plena discussão a volta de um imposto para financiar a saúde. Meu Deus até parece que perdermos de vez a vergonha na cara. A CPMF vigorou por mais de dez anos e o sistema de saúde se manteve na mesma.

Eleição municipal

Vereador Jorge Savi, PPS, é uma das possibilidades de candidato a vice na chapa do PMDB, caso o PPS faça aliança com o PMDB.

Charge

Charge


O passado deve orientar o futuro

Todos nós que vemos se instalar governos ditos de esquerda na América Latina deveriamos estudar um pouco mais o que houve no inicio da década de 60 e 70 na América Latina. Encontrei no Youtube alguns bons vídeos se estiver interessado assista. abaixo vai os links:

http://br.youtube.com/watch?v=iV-VWuFVmeY

http://br.youtube.com/watch?v=hv_urBiNrE4

A imprensa não é para bajular

São muitas as reclamações de que a imprensa Brasileira atua como um partido de oposição ao atual governo federal. O assunto tem rendido calorosos debates.

Pessoalmente tenho dificuldades de ver toda essa animosidade da imprensa, em relação ao governo. A imprensa brasileira normalmente é benevolente com todos os governos, muita coisa, que poderia ser denunciada simplesmente passa em branco.

Se estou certo porque tanta reclamação? Talvez porque os governantes brasileiros criaram um vício, no qual sempre esperam que a imprensa e os jornalistas os estejam bajulando, um vício dos períodos ditatorias.

Turismo Popular

O ministério do Turismo lançou um programa de turismo popular com o objetivo de incentivar o turismo interno no Brasil. Um programa meritório e de grande utilidade, só precisa mesmo sair do papel.

Por uma política nacional de adoção

O Brasil até hoje não se convenceu dos benefícios de instituir uma poliítica nacional de adoção. Vamos tratando de temas acessórios e não tratamos com seriedade de um assunto tão importante como esse.

Blog do Noblat

Blog do Noblat :
"Com mais renda, Nordeste amarga atraso em educação
De Bernardo Mello Franco:
Festejada nas últimas semanas, a explosão do consumo no Nordeste esconde uma face perversa do desenvolvimento da região: a população aumentou seu poder de compra, mas ainda amarga um atraso de quase duas décadas na educação.
Apesar do movimento acelerado das caixas registradoras nos nove estados nordestinos — que hoje só perdem em volume de compras para o Sudeste —, a região ainda caminha a passos lentos para deixar a lanterna dos rankings nacionais de alfabetização, tempo de escolaridade e expectativa de conclusão do Ensino Fundamental.
Por exemplo, de cada dois analfabetos brasileiros, um vive no Nordeste, de acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE.Com mais renda, Nordeste amarga atraso em educação
De Bernardo Mello Franco:
Festejada nas últimas semanas, a explosão do consumo no Nordeste esconde uma face perversa do desenvolvimento da região: a população aumentou seu poder de compra, mas ainda amarga um atraso de quase duas décadas na educação.
Apesar do movimento acelerado das caixas registradoras nos nove estados nordestinos — que hoje só perdem em volume de compras para o Sudeste —, a região ainda caminha a passos lentos para deixar a lanterna dos rankings nacionais de alfabetização, tempo de escolaridade e expectativa de conclusão do Ensino Fundamental.
Por exemplo, de cada dois analfabetos brasileiros, um vive no Nordeste, de acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE."

O primeiro desafio do candidato do PT

O primeiro desafio do candidato do PT, Ricardo Peregrinello, é buscar ser o candidato de todo o PT, o que convenhamos não será uma tarefa fácil, outros candidatos do PT não foram tão felizes nessa tarefa. Portanto o candidato tem um longa caminhada, se terá tenacidade para executar tal tarefa em breve saberemos.

PP e PSDB

O PP em Caçador ao que tudo indica vai reeditar a aliança vitoriosa de 2004 com o PSDB. O vice ainda é uma incógnita.

Blog do Noblat

Blog do Noblat :

"Prefeito do PMDB usou verba para contratar prostitutas
Duas seriam menores; pretexto era promoção de festas em Coari, no Amazonas
De Jailton de Carvalho:
Nas investigações da Operação Vorax, a Polícia Federal descobriu indícios de que o prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro (PMDB), usou dinheiro público para fretar avião e contratar prostitutas, pelo menos duas delas menores, em Manaus. Segundo o coordenador da Vorax, delegado Jocenildo Cavalcante, o prefeito poderá ser indiciado no artigo 244 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Pinheiro é apontado como chefe de uma organização acusada de fraudar licitações, obras e serviços para desviar verbas repassadas pelo governo federal e pela Petrobras ao município.
Só numa casa da prefeitura, num bairro pobre de Coari, a polícia apreendeu anteontem cerca de R$ 7 milhões, a maior parte em notas de R$ 50 e R$ 100. O dinheiro estava escondido em sete malas e caixas de papelão no forro da casa. Com base em documentos apreendidos e escutas, a polícia acusa Pinheiro de bancar festas com prostitutas de Manaus com dinheiro público. A polícia está preparando um novo pedido de prisão do prefeito. O primeiro foi rejeitado pelo Tribunal Regional da 1 Região, em Brasília."

Hilary vai tentar derrotar Obama no tapetão


Semana que passou surgiu a notícia de que a sendora Hilary Clinton vai tentar ganhar a indicação do Partido Democrata no tapetão. Que democracia é essa que se pratica nos EUA?

domingo, 25 de maio de 2008

As catástrofes ambientais

As catástrofes ambientais parecem que vão ser uma rotina nos próximos anos. A elas todos deveremos nos acostumar.

Charge




As falsas promessas de Barack Obama

O candidato negro do Partido Democrata atrai a simpatia de grande parte da população pobre e jovem dos Estados Unidos. Mas, Obama não tem condições de representar os interesses da maioria explorada de seu país.

É bem provável que Barack Obama vença Hilary Clinton e seja o candidato do Partido Democrata às eleições presidenciais nos Estados Unidos, em novembro. Jovem, negro, filho de um imigrante, Obama é visto por muita gente como uma alternativa aos políticos tradicionais dos partidos Democrata e Republicano. Inclusive, por militantes dos movimentos sociais, estudantes e sindicalistas.

Ele usa suas origens mestiças para aparecer como símbolo de uma “América” nova e diferente. Reivindica a herança de Martin Luther King e a maioria de seus apoiadores é formada por jovens pobres, descendentes de africanos, latino-americanos, árabes, etc. São setores que acreditam que ele tem uma plataforma progressista, contra a guerra e a favor dos pobres. A mídia no Brasil repete esse discurso, dizendo que Obama traria mudanças profundas para a política norte-americana.

A candidatura de Obama alimenta as esperanças de milhões de americanos de colocar um fim à desastrosa guerra do Iraque e às políticas do governo Bush contra os pobres. Claro que ninguém que é contra o racismo e a opressão pode ignorar a importância dessas expectativas. Mas, o que podemos esperar, realmente, se Obama vencer as eleições?

É muito importante separar o estilo otimista e atraente de Obama daquilo que ele apresenta como propostas. Como a disse a famosa escritora e militante afro-americana Angela Davis: “Obama representa mudança, mas realmente não oferece mudança alguma”.

Obama se coloca como um candidato pela paz, por exemplo. Foi contra a invasão do Iraque, em 2003. Mas Obama não é contra a guerra porque ela é imperialista, racista e ilegal. Mas porque os Estados Unidos estão perdendo a guerra. Depois de ser eleito ao Senado em 2004 ele apoiou as medidas de Bush para financiamento incondicional da guerra em 2005 e 2006. Votou a favor da manutenção de Condoleeza Rice como Secretária do Estado apesar da evidência clara de que ela mentiu ao Congresso sobre armas de destruição em massa. Sem falar no fato de que ela faz parte do governo imperialista de Bush. Além disso, diversas leis propostas pela Casa Branca a favor da continuação da guerra foram apoiadas por Obama nos últimos anos.

O candidato democrata também apóia a continuação de tropas americanas de ocupação na região, mesmo depois da retirada do Iraque. Defende que os soldados americanos saídos do Iraque reforcem as tropas dos Estados Unidos que invadiram o Afeganistão.

Obama defendeu a “guerra contra terrorismo” e suas políticas em relação à Palestina, Israel, OTAN e Rússia são iguais às de Bush. No recente conflito diplomático entre Colômbia, Venezuela e Equador, Obama e Hilary Clinton apoiaram abertamente o presidente direitista da Colômbia, Álvaro Uribe. E ambos atacaram ferozmente as FARC e Chávez. Não há dúvida de que Obama continuaria as políticas imperialistas do governo Bush.

Além disso, o candidato negro segue uma política bem convencional. Grande parte das finanças da campanha vem de empresas e seus assessores são velhos burocratas do Partido Democrata. Por isso, Obama tornou suas propostas mais moderadas durante a campanha. Dificilmente, fala abertamente de racismo, cotas e a extrema desigualdade de renda e poder.

Grande parte da população americana quer saúde e previdência públicas e com atendimento dignos para todos. Obama promete uma série de políticas voltadas às necessidades dos pobres e recuperação dos serviços públicos. Lançou um plano para saúde pública universal, por exemplo, mas que depende da boa vontade das grandes empresas de saúde para ser implementado. E diz que não pretende reiniciar o programa de previdência para os pobres que Bill Clinton aboliu na década de 1990.

Ao mesmo tempo, ele não toca nos privilégios e poderes das grandes corporações que controlam a economia norte-americana. De fato, como senador, votou a favor de legislação que limitaria possibilidade de responsabilizar empresas em processos lançados por seus trabalhadores. Durante a campanha, ele fala muito sobre pobres. Mas, também tem falado bastante sobre os direitos das empresas funcionarem sem impedimentos. Afinal, são elas que estão bancando a sua campanha.

Devido à ausência de um grande partido de esquerda nos Estados Unidos, muitos progressistas nos movimentos sociais, sindicais e estudantis têm apoiado Obama mesmo ele sendo do Partido Democrata, um partido da classe dominante que não tem nada a ver com os interesses da classe trabalhadora. Não podemos ignorar a atração que tem a mensagem otimista de Obama. Ela reflete a busca de uma grande parte da população norte-americana por mudanças reais. Mas é preciso convencer os militantes dos movimentos sociais e trabalhadores em geral que o Partido Democrata nunca irá representar seus interesses. A única opção é fortalecer os movimentos de base para conquistar vitórias contra governos, sejam democratas ou republicanos.
Sean Purdy

FONTE: REVOLUTAS
SITE: http://www.revolutas.net
COMENTÁRIO DO FÁBIO:
"Fábio disse...
Mudança nos EUA? Ora isso é bem difícil, diferente de nós eles sabem muito bem onde querem chegar, tem um projeto para o país que tem que ser seguido seja A ou B o presidente. Eles tem que manter a postura de polícia do mundo seu consumismo desenfreado, e sua indústria militar. Disque se no mundo todas as pessoas fossem americanas, hoje precisariamos de mais 3 planetas Terra para saciar a sede de consumo."

Blog do Noblat

Blog do Noblat :
"Farc confirmam morte do guerrilheiro Manuel Marulanda
As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) confirmaram neste domingo a morte de seu líder histórico, Manuel Marulanda , de 80 anos, conhecido como Tirofijo. O número um das Farc foi vítima de ataque cardíaco em março. Leia mais em Farc confirmam morte do guerrilheiro Manuel Marulanda"

Vivian

O desafio das oposições em Caçador

O desafio das oposições em Caçador é apresentar alguma coisa mais consistente para a população do que a atual gestão do prefeito Saulo. Conseguirão?
COMENTÁRIO DO ROBERTO:
"Roberto disse...
Podem até tentar mostrar, o problema é que quase todos convergem para o mesmo projeto: Ordem de gasolina."

A eterna conciliação

Seguindo a lógica da eterna conciliação o governo federal tenta acomodar interesses conflitantes na questão ambiental. Quer contentar os desmatadores e aqueles que defendem a preservação do meio ambiente.

O governo criou as condições para a demissão de uma ministra comprometida com a defesa do meio ambiente, e agora deixa dúvidas em uma área bastante sensível.

O governo se utiliza de um nacionalismo ultrapassado para responder as críticas, que vem recebendo na questão ambiental. A amazônia é do Brasil, todos sabem, mas ela não é nossa para colocarmos abaixo, de acordo com a vontade daqueles que querem um desenvolvimento predatório a qualquer custo.

Vai chegar o momento, em que mesmo os mais conciliatórios governos, instituições e pessoas vão ter que se posicionar com clareza, e o governo brasileiro aparentemente já se posicionou.

Mais uma vaia para Marta Suplicy

A ministra do Turismo, Marta Suplicy, foi vaiada durante seu discurso na 16ª edição da Marcha para Jesus, realizada nesta quinta-feira (22) em São Paulo. As as vaias a prefeiturável petista já estão se tornando uma rotina e um atrativo em São Paulo.

A ministra começou a falar sobre a manifestação da fé e homenagem ao povo de Deus”, quando foi interrompida por vaias. A organização do evento iniciou uma oração, acabando com o discurso da ministra. A situação seria constrangedora para qualquer mortal, mas Marta tem uma especial capacidade de entender que não é uma unanimidade.

Agora uma perguntinha se a pessoa sabe que não é bem vinda em um local já defendeu posições que não fecham com aquele grupo social, porque aparece num evento desses?

E as igrejas não deveriam procurar evitar de dar um caráter política as manifestações religiosas?

sábado, 24 de maio de 2008

Basta uma foto com o presidente?

Está cheio de candidato a prefeito Brasil afora achando que basta uma foto com o presidente e a eleição já está ganha. É o que veremos em outubro.

Charges do Gerson


O PT ignorou as experiências que tinha em nível municipal

O PT simplesmente ignorou as boas experiências que tinha em nível municipal, não levou ao palácio do planalto praticamente nada do que tinha feito em importantes prefeitura brasileiras.

Charges do Gerson

Dilma X Marina

Tenho lido que o pedido de demissão da ex-ministra Marina Silva foi uma vitória da mãe do PAC, a senhora Dilma Roussef. Não sei se essa opinião procede.

Se for procedente, penso que essa pode ser uma daquelas vitórias em que o vencedor, mais tarde perceberá o quão inútil foi. De resto sempre é bom lembrar o prestígio que o presidente concede a mãe do PAC, em nada se comparava ao tratamento que concedeu, a agora senadora Marina Silva.

Cada um sabe, a quem conceder prestígio e dar privilégios, e que cada um seja feliz, com as suas escolhas, mas o pior é que levamos elas para o resto das nossas vidas. Que cada um suporte as suas.

Marulanda pode estar morto


O governo da Colômbia investiga uma possível morte do líder maior das FARCs, Manuel Marulanda. Quem passou essa notícia foi o ministro da Defesa do país, Juan Manuel Santos. Marulanda tem ou teria 78 anos.

Ainda a prévia do PT

Sobre a prévia do PT ainda cabe uma observação, é conveniente a qualquer partido que os derrotados, internamente, aceitem o resultado, e apoiem o candidato vencedor. Não sabemos se esse vai ser o comportamento dos que perderem a prévia no próximo domingo, existem rumores de que alguns candidatos a vereador só concorrem se o seu candidatos for o escolhido. Mas que curiosa visão de democracia é essa que só trabalha com quem é do seu time?

sexta-feira, 23 de maio de 2008

O Brasil mantêm um caótico sistema de saúde

O Brasil mantêm um caótico sistema de saúde, excludente, que só atende com qualidade uma ínfima parcela da população, mesmo assim é mantida as principais bases de administração desse lamentável sistema.

Aposta do PMDB

Para os peemedebistas de Caçador não importa quem seja o candidato do PT. Acreditam os peemedebistas que boa parte do eleitorado do PT pode votar no candidato do PMDB no próximo pleito.

Quanta hipocrisia

Quanta hipocrisia vemos sair da boca de políticos, empresários e tantos outros líderes da nossa elite nacional. Dizem tudo, só não dizem, que não estão dispostos a abrir mão dos privilégios acumulados. Deveríamos perguntar se sabem onde aperta o sapato do povo. É claro que sabem...

Pequenas vitórias

A auto-estima da gente cresce quando obtemos pequenas vitórias. São elas que nos jogam para a frente, em busca de mais vida e outras realizações.

Pedintes

O Bolsa-familia deveria ter reduzido os pedintes em nossas ruas, mas não reduziu, eles continuam perambulando por nossas ruas.

Não nos envergonhamos

Nossos indicadores educacionais deveriam nos envergonhar, mas não nos envergonhamos, há quem fale em um Brasil-Potência do século XXI. Uma potência onde se escreve comportamento da seguinte maneira: Com por tamento.

Beleza


Porque te elegemos mesmo, Luís Inácio?

Olho por vezes o nosso presidente na TV e fico pensando comigo mesmo, para que te elegemos mesmo Luis Inácio?
Vejo o cordão dos satisfeitos que te aplaudem e me pergunto quem mesmo são eles?
Porque falou-se tanta coisa? Terá sido apenas para angariar votos? Teria sido mesmo por isso?

Charge



O canteiro da ministra

A ministra Dilma prometeu que o Brasil iria virar um canteiro de obras nesse ano de 2008. Até agora pouca coisa saiu do papel.

Faltam motoristas de caminhão

Faltam motoristas de caminhão no Brasil. E o que estão anunciando as entidades ligadas ao transporte de cargas.

Coronel do Exército ajudou arrozeiros

Blog do Noblat :

"Coronel do Exército ajudou arrozeiros, diz PF
Militar e dois pistoleiros teriam participado de ataque a índios em Roraima; líder dos produtores nega
De Lucas Ferraz:
Para a Polícia Federal há indícios de que um coronel da reserva do Exército ajudou arrozeiros -liderados pelo produtor e prefeito de Pacaraima (RR), Paulo César Quartiero (DEM)- a atacarem indígenas favoráveis à retirada de não-índios da reserva Raposa/Serra do Sol (RR). A PF também identificou dois pistoleiros do Pará que participaram diretamente da ação, ocorrida no último dia 5, que feriu nove índios.
A polícia suspeita que o coronel da reserva Gélio Augusto Fregapani e que outros dois militares (que não foram identificados) atuaram na logística de resistência dos arrozeiros, evidenciada pela tática de guerrilha usada no episódio.
Segundo policiais, as 149 bombas encontradas na Fazenda Depósito, propriedade de Quartiero, foram produzidas com o auxílio de militares.
Há a suspeita de que Gélio Fregapani preste serviço 'técnico' à Associação dos Rizicultores de Roraima. O coronel é ex-funcionário concursado da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Em 2005, ele produziu para a Abin relatório em que ataca a demarcação contínua. 'É evidente o interesse estrangeiro na demarcação contínua', escreveu Fregapani."

Charge


quinta-feira, 22 de maio de 2008

Saudades da Bebel


A pauta política nacional faz qualquer um ter saudade da Bebel.

Charge

Menos Minc!

Entrevista Maluf CQC - Ponte Estaiada

Afinidades

Charge


As cidades vão explodir!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Serão eles a ameaça a soberania nacional?

Regresso ao passado...

Click na imagem para ampliar

O governo Lula vai se caracterizando por surpreender

O governo Lula vai se caracterizando por surpreender. Tem surpreendido de A a Z, do espectro político. Embora essa constatação não seja do acordo de muitos, é inegável que esse é um governo das surpresas, nem sempre positivas. A supresa do momento talvez seja a empolgação da turma da motosserra com o governo.

Charge

Chineses sofrem com terremoto

Terremoto na China